quarta-feira, 11 de julho de 2018

Os 3 mandamentos da Gestão Financeira


Abrir uma empresa tem sido a opção de muitos brasileiros pelas mais diversas razões: Empreendedorismo nato; sonho de ter o próprio negócio; opção por não encontrar recolocação no mercado; oportunidade de negócio e muitas outras razões.
Mas o que observamos nas diversas pesquisas feitas sobre a sobrevida destas empresas é que uma grande parcela delas não sobrevivem no mercado principalmente por falta de gestão financeira.
Muitos empreendedores acreditam que a gestão financeira se resume a controlar o que entra e sai do banco e do caixa da sua empresa, e que o quê sobra no fim do mês é o seu lucro.
E dessa forma vão levando até chegar no momento em que as contas não fecham e então começam à antecipar cartões, pedir empréstimos e usar o limite do banco como capital de giro.
Mas o que é mesmo a Gestão Financeira? Gestão financeira é um conjunto de ações e procedimentos que visam maximizar os resultados econômicos e financeiros, prever situações de fluxos e minimizar os seus efeitos. Podemos resumir dizendo que para fazer uma boa Gestão Financeira você precisa seguir três mandamentos que irão se alternar num ciclo após o outro:


Planejar: É o primeiro mandamento deste ciclo para se fazer uma boa gestão financeira. O planejamento inicial pode ser feito através da prospecção caso esteja iniciando a empresa, ou com base no que aconteceu até o momento se a sua empresa já está em funcionamento e você está iniciando o planejamento a partir de agora. No planejamento você irá coletar ou prospectar as informações necessárias para montar o plano orçamentário da sua empresa que pode ser de um mês, três, seis meses ou um ano. Para quem está iniciando agora aconselhamos fazer de ciclo menores de no máximo três meses.

Controlar: O controle deve ser iniciado logo após a conclusão do planejamento e deve ser constante, pois é partir dele que você irá saber se o que planejou está se realizando de acordo com as metas traçadas.

Avaliar: A partir dos resultados demonstrados nos relatórios de controle a avaliação é primordial para traçar novas metas e replanejar em cima de resultados que podem demonstrar tanto o que pode ser aprimorado e corrigido quanto o que não deve ser feito no futuro.

Planejar, controlar e avaliar deve ser um ciclo constante na Gestão financeira, pois depois da avaliação sempre começa um novo ciclo com novas metas corrigindo ou aprimorando o ciclo anterior.


terça-feira, 10 de julho de 2018

Receita libera 2° lote do Imposto de Renda 2018


Foi liberado hoje, pela Receita Federal o 2° lote da Restituição do Imposto de Renda 2018. Confira aqui se a sua restituição saiu. Consulta Restituição IR 2018.



Palestra sobre o E-Social alerta sobre a obrigatoriedade para as PME'S



No dia 15 de Junho a Vínculo Empresarial Contabilidade, preocupada em informar os seus clientes sobre o E-Social, realizou mais uma Palestra  que abordou as mudanças de hábitos que devem ser adotados pelas PME'S - Pequenas e Médias Empresas que terão que implantar o E-social à partir do mês de julho.

Segundo a palestrante, Glícia Soares a maioria das pequenas empresas ainda desconhecem a obrigatoriedade e precisam mudar a forma como vem tratando os assuntos trabalhistas ao longo dos anos. “As pequenas e médias empresas estão acostumadas a não dar muita importância aos prazos e as exigências da legislação, porque até o momento não existia uma fiscalização efetiva nessas empresas por terem um número irrisório de demandas judiciais e por terem poucos funcionários, mas agora com o E-Social a fiscalização passa à ser real e estará sendo feita praticamente de forma automática pelo sistema. Desta forma o mais importante é que essas empresas revisem os seus processos e mudem os seus hábitos para atenderem o E-Social. Essa palestra é o primeiro passo para que isso aconteça com os nossos clientes." Afirmou ela.

O E-Social um projeto do governo federal, instituído pelo Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014, que tem por objetivo desenvolver um sistema de coleta de informações trabalhistas, previdenciárias e tributárias, armazenando-as em um Ambiente Nacional Virtual, a fim de possibilitar aos órgãos participantes do projeto, na medida da pertinência temática de cada um, a utilização de tais informações para fins trabalhistas, previdenciários, fiscais e para a apuração de tributos e da contribuição para o FGTS. O e-Social estabelece a forma com que passam a ser prestadas as informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais relativas à contratação e utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício, e de produção rural. Portanto, não se trata de uma nova obrigação tributária acessória, mas uma nova forma de cumprir obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias já existentes. Com isso, ele não altera as legislações específicas de cada área, mas apenas cria uma forma única e mais simplificada de atendê-las. 

Estão obrigados a implantarem o E-social todo aquele que contratar prestador de serviço, pessoa física ou jurídica, e possua alguma obrigação trabalhista, previdenciária ou tributária.






quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Porque as microempresas são as que menos sobrevivem no mercado?



Segundo dados divulgados em última pesquisa realizada pelo Sebrae, 45% das microempresas morrem em até dois anos após a sua abertura.  Entre os principais motivos apontados estão a alta carga tributária, a crise econômica do país que diminuiu o poder de compra dos consumidores, o endividamento já na fase inicial do negócio e a inexperiência em gestão dos donos dos pequenos negócios. 

Na pesquisa foram apontados como fatores de mortalidade e sobrevivência a situação antes da abertura da empresa.

- Tipo de ocupação do empresário (Desempregado)
- Experiência no ramo (Pouca experiência no ramo)
- Motivação para abrir o negócio (Necessidade ou exigência do cliente/fornecedor)
- Planejamento do negócio (Tiveram pouco tempo para planejar o negócio)
- Gestão do negócio (Não conseguiram negociar com fornecedores, obter empréstimos bancários, não capacitaram a sua mão de obra e não tiveram controle de receitas e despesas)
- Capacitação dos donos em gestão empresarial (Não investiram na sua própria capacitação para aprender a gerir o próprio negócio)

Na mesma pesquisa eles apontam uma taxa bem menor para as empresas enquadradas no MEI, com uma mortalidade de apenas 13%, o que nos leva à crer que o fato da carga tributária ser bem menor e a maioria dos negócios já existirem anteriormente na informalidade, ajudaram essas empresas à terem uma chance maior de sobrevivência.

No caso das EPP's - com uma taxa de mortalidade de apenas 2%, apontamos o inverso do que acontecem nas ME's porque essas empresas nascem de uma oportunidade de negócio e não de uma necessidade, geralmente os seus gestores já possuem experiência na área, possuem acesso à capitais de terceiros, fazem o planejamento, buscam qualificar a sua equipe, inovar nos produtos e serviços e se capacitar para gerir o negócio.



Fonte: Sebrae


quinta-feira, 26 de outubro de 2017

10 Passos para quem quer iniciar um negócio


1 - Defina o portfólio de serviços que irá prestar ou produtos que irá vender e pesquise o mercado e seus prováveis concorrentes.
2 - Defina se o seu negócio será físico, virtual ou ambos.
3 - Se for físico a escolha do ponto é o que vai garantir junto com outras ações a sobrevivência do negócio; Se for virtual a contratação de uma agência para desenvolvimento do site, divulgação e dinamização das vendas é o mais importante.
4 - Faça um planejamento financeiro de quanto irá gastar, desde os gastos mínimos com documentação para a legalização da empresa até o dia da inauguração do empreendimento. Esse planejamento deve conter os gastos de cada etapa e o tempo que será dispendido para a execução.
5 - Procure uma assessoria contábil que ofereça mais do que a gestão tributária dos seus impostos. A contabilidade para as pequenas e médias empresas deve ser uma fonte de informações e apoio que irão de ajudar a tomar as decisões certas para o seu negócio.
6 - Defina a sua ação de vendas e marketing pensando no seu público alvo e nas preferências dele, pois o que da certo para um outro negócio pode não dar certo para o seu por terem públicos diferentes.
7 - Controle as finanças da empresa diariamente e nunca misture a sua conta física com a conta da sua empresa.
8 - Nos primeiros seis meses de vida do seu negócio o ideal é que você não dependa dele para viver, pois pode acabar tirando dinheiro do seu capital de giro para pagar o seu salário e ficar sem ter como reinvestir em novas mercadorias e serviços. Se isso não for possível defina um valor mensal máximo para retirada que não prejudique o caixa da empresa.
9 - Faça um fluxo de caixa projetado com uma visão de pelo menos três meses à frente, isso irá ter ajudar à reagir com antecedência diante de uma possível queda nas vendas ou alta de matéria prima e mercadorias de reposição que podem diminuir a sua margem de lucro.
10 - Quem disse que ser empreendedor seria fácil? Quando aparecer alguma dificuldade, analise cada um dos pontos que talvez tenham passado despercebido. Ponto, preço, prazo, fornecedor, ação de vendas, gestão financeira e gestão administrativa. Em algum lugar você errou, então corrija o erro e recomece, se você chegou até aí com certeza já é um vencedor. 

terça-feira, 17 de outubro de 2017

PALESTRA CONSULTÓRIO FARMACÊUTICO

Palestra: Consultório Farmacêutico

No dia 22.09.2017 a Vínculo Empresarial Contabilidade promoveu a palestra"Consultório Farmacêutico! O que muda na sua drogaria com a nova legislação". Na palestra, que contou com a presença de empresários e farmacêuticos do ramo de drogarias, foi abordada a legislação com base na CVS 01/2017 que regulamentou no Estado de São Paulo como atividade econômica o Consultório Farmacêutico. Os principais aspectos expostos na palestra foram: As mudanças que ocorrerão em torno do comércio varejista de medicamentos à partir dessa nova realidade; E de como as drogarias devem se adequar diante dessa perspectiva de mercado, que coloca a drogaria como "Estabelecimento de saúde" e não mais como um estabelecimento puramente comercial. Segundo a palestrante Glícia Soares, Diretora da Vínculo Contabilidade, o intuito da palestra foi esclarecer e dar oportunidade para farmacêuticos e empresários do ramo de implantarem o consultório farmacêutico como diferencial na sua drogaria, diferencial esse que já está sendo visto com grande interesse pelas grandes redes. A Vínculo está planejando para o final do mês de novembro um treinamento dirigido para o ramo para que possam ampliar e por em prática o conhecimento já abordado na palestra.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Primeira parcela do 13° salário

Você já se preparou para as contas do fim do ano? No dia 30 de novembro vence a primeira parcela do 13° salário. Bom para quem é empregado, uma despesa a mais para o empregador. Infelizmente a maioria das empresas não se preparam para estas despesas extras da dos meses de novembro e dezembro, assim também ocorre com a programação de férias dos funcionários e as rescisões contratuais. O correto é você provisionar mensalmente o 13° salário, as férias e as verbas rescisórias, que dependendo da época do ano em que acontecem podem realmente deixar a empresa em uma situação financeira complicada, principalmente em tempos de crise.
Mas como fazer isso? Para férias, 13° e aviso prévio indenizado o ideal é você dividir o salário por 12 e guardar mensalmente a parcela que cabe à cada uma dessas verbas, no caso das férias mais 1/3 também dividido por 12.
Em relação a multa sobre o FGTS você deve provisionar mensalmente 50% do valor do depósito mensal de cada funcionário. Essa é a melhor forma de planejar os imprevistos futuros que são praticamente certos.